Saúde mental e relacionamento na pandemia.

por Anaclaudia Ramos

Saúde Mental e Relacionamentos – Pandemia

A pandemia nos atravessou de uma forma acelerada, trazendo inúmeras reflexões e mudanças de hábitos. O isolamento social nos forçou uma convivência diária, que antes da pandemia eram de apenas alguns pequenos momentos dentro de casa com a família, relacionamentos afetivos e de amizades, agora sendo estendido por meses.

Com isso, as pessoas deixaram de se distrair com a ida à academia, com o passeio entre amigos e o trabalho externo, por exemplo. Todas essas atividades que deixavam as pessoas longe de um convívio diário, agora nos forçam a nos conhecermos e a conhecermos o outro de uma forma mais profunda, além de muitas vezes sermos capazes de olharmos com mais amor para as pessoas com quem convivemos, enxergando sua importância em nossas vidas. 

E como ficam os relacionamentos?

Quem está no início de um namoro e passando a quarentena como casal, está fazendo um test-drive. Muitos estão super animados com a possibilidade da experiência temporária virar definitiva, com uma convivência saudável, repleta de companheirismo e amor, enquanto outros estão enxergando que não dará para seguir em frente com o relacionamento, uma vez que podem conhecer melhor o outro e enxergam as divergências existentes.

Além disso, temos aqueles casais ou grupos familiares que optaram por aceitar a rotina imposta de uma forma mais tranquila, visando o bem estar, investindo em atividades conjuntas, tarefas da casa que antes eram delegadas a somente uma pessoa ou algum colaborador externo, passando a serem realizadas em conjunto, criando novos hábitos e rotinas familiares, como responsabilidade com a alimentação, limpeza da casa, jardinagem e até mesmo orações e leituras de forma conjunta.

Todas essas atividades possibilitam conhecermos de forma mais intensa nossos familiares, e as pessoas com quem dividimos o lar, os limites e desejos de cada um, trazendo bem estar, felicidade, solidificando os laços familiares de forma resiliente enfrentando a turbulência da pandemia.

Mas, como nem tudo são flores, também há aquele grupo que descobriu que não consegue mesmo ficar junto e estão enfrentando dificuldades com a convivência intensa. Porém, diante da necessidade do convívio, tentam se reinventar na tentativa de tornar a rotina mais leve e tranquila. 

Assim como existem casais que  decidiram pela separação. De acordo com a revista Época (matéria publicada em 12/09/2020 no site www.epoca.globo.com), houve um crescimento de 54% de divórcios no Brasil após os primeiros meses do isolamento social devido a pandemia. 

Obviamente, a pandemia não é a causadora desses divórcios, mas com certeza foi o ponto-chave para alguns casais analisarem seus relacionamentos de forma mais profunda, enxergando problemas que não conseguem ou não estão mais dispostos a solucionarem, tomando a decisão da separação, de forma que conquistem a felicidade que todos merecem e buscam.

O fato é que a pandemia surgiu de forma avassaladora, nos tirou de nossa zona de conforto, nos obrigando a repensarmos e reformularmos nosso dia a dia, na tentativa de tornamos o momento difícil o mais leve possível. As relações pessoais foram afetadas, umas tornando-se mais sólidas, enquanto outras se findaram. 

Todos esses acontecimentos afetaram nossa saúde mental, trazendo à tona sentimentos que muitas vezes estavam oprimidos e por isso, certas dificuldades surgiram. 

Crises de ansiedade tornaram-se mais intensas e recorrentes, brigas entre casais e filhos, dificuldade com a convivência integral com outras pessoas e o isolamento social deixam marcas consideráveis em nós. E são por esses e muitos outros motivos que o Eita! existe e está pronto para te ajudar.

Acesse nossa plataforma e desabafe com a gente. Estamos aqui para te ensinar a lidar da melhor forma com seus problemas e sentimentos, tornando a sua rotina e das pessoas com quem convive, muito mais leve e tranquila. 

Conte com o Eita! Evolua a sua inteligência a treino de autopercepção.